google.com, pub-7620993729816421, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
Buscar
  • Foto do escritorVinicius Allan Gomes

Adiamento da obrigatoriedade de nota fiscal eletrônica para MEIs: saiba o que muda




Introdução


A obrigatoriedade de emitir a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) para microempreendedores individuais (MEIs) foi adiada para setembro deste ano. O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) prorrogou o início do prazo da emissão da NFS-e, que é um padrão nacional que unifica os documentos, anteriormente previsto para esta segunda-feira (3). Essa mudança trará benefícios aos contribuintes, padronizando as notas fiscais e trazendo mais transparência nas operações de prestação de serviços. Neste artigo, vamos abordar as principais mudanças trazidas pelo adiamento da obrigatoriedade da NFS-e para MEIs.



NFS-e: o que é e como funciona


A NFS-e é um arquivo digital que documenta as operações de prestação de serviços, gerada e armazenada eletronicamente pela Receita Federal, pela prefeitura ou outra entidade conveniada. O padrão nacional unificará as notas fiscais, acabando com as diversas versões emitidas de acordo com cada município. A geração da NFS-e é feita automaticamente por meio de serviços informatizados disponibilizados aos contribuintes.



Benefícios do adiamento da obrigatoriedade


O adiamento da obrigatoriedade da NFS-e traz benefícios para os MEIs, que terão mais tempo para se adaptarem às mudanças tributárias. Além disso, a ferramenta já está disponível desde janeiro no portal gov.br/nfse ou pelo aplicativo, permitindo que os contribuintes possam se familiarizar com a nova nota fiscal eletrônica antes da obrigatoriedade.



Transação tributária no âmbito do Simples Nacional


Além do adiamento da obrigatoriedade da NFS-e, o Comitê Gestor do Simples Nacional atualizou as normas que tratam da transação tributária no âmbito do Simples Nacional. Débitos que estejam em contencioso administrativo fiscal nas fazendas federal, estadual, municipal e distrital poderão ser transacionados, além da possibilidade de utilização de precatórios ou direito creditório para amortização da dívida tributária principal, juros e multa, desde que o valor a ser utilizado seja de créditos tributários.



Conclusão


O adiamento da obrigatoriedade da NFS-e para MEIs traz benefícios, padronizando as notas fiscais e trazendo mais transparência nas operações de prestação de serviços. É importante que os microempreendedores individuais se preparem para as mudanças tributárias que ocorrerão a partir de setembro deste ano e utilizem o tempo extra para se familiarizar com a nova nota fiscal eletrônica. Além disso, a atualização das normas que tratam da transação tributária no âmbito do Simples Nacional permite que os contribuintes possam ter mais facilidade para quitar suas dívidas.

7 visualizações0 comentário

Commentaires

Noté 0 étoile sur 5.
Pas encore de note

Ajouter une note
bottom of page